3 de agosto de 2012

Improbabilidades

Que as pessoas lêem nos transportes públicos não é novidade. O que me surpreendeu nas leituras matinais de hoje, no Metro de Lisboa, foi levantar por uns instantes os olhos de O Futuro à Janela, de Luís Filipe Silva, e deparar-me, à minha direita, com uma rapariga a ler Mockingjay, de Suzanne Collins; e, à minha esquerda, com um rapaz a ler Earth, de David Brin. Como um pequeno círculo (em rigor, um triângulo) de leitura de Ficção Científica. 

2 comentários:

artur coelho disse...

ainda por cima o earth, esse clássico incógnito. o meu favorito do brin...

João Campos disse...

A edição que o rapaz (digo rapaz mas ele devia ser pouco mais novo do que eu) era uma portuguesa, e muito velhinha.

Aliás, hoje vi o artigo que mencionaste sobre os dez melhores livros de ficção científica do David Brin (muito interessante também). Ou seja, tropecei no homem - salvo seja - duas vezes hoje. A ver se o descubro um dia destes.